Archive for February, 2010

week(end)

28/02/2010

Advertisements

Right Through You

26/02/2010

você precisa de quantos pares de sapato? de quantas festas por mês? ter lido quantos livros? visto quantos filmes? pesar quantos quilos? sorrir quanto?

quem espera o quê de nós? quem é essa pessoa que define o que está certo e errado?

no final, isso apenas estimula a ânsia de querer ser o que não se precisa ser.

se você parar para pensar, as pessoas que você admira são aquelas que desenvolveram a sua própria personalidade e toparam arcar com os riscos de viver uma vida a seu modo. 

escolheram criar a sua fôrma a seguir uma forma pré definida.

normal ou diferente, deve ser original. porque as ilusões e desejos dos outros são…dos outros. e se tomamos para nós acabam sendo falsas. e viver uma farsa pode ser muito sofrido.

um pouco de auto-estima basta.

i’ve got you babe

25/02/2010

não sei, deixo rolar. vou olhar os caminhos, o que tiver mais coração, eu sigo.

– Caio Fernando Abreu

25/02/2010

feels like home

24/02/2010

nós alcançamos uma frestinha e, algumas vezes, contra todas as chances, contra toda a lógica, nós tocamos.

life in technicolor

24/02/2010

see saw

23/02/2010

 

Por que eu?
Porque você me enxergou quando eu era invisível…

23/02/2010

week(end)

19/02/2010

say you will

19/02/2010

Eu sempre me joguei na vida de uma forma intensa e algumas vezes, descontrolada. em algumas eu cai, em outras, voei. não entendeu? explico:

nasci de 8 meses, bonitinha, mas em menos de 10 minutos, com 3 chutezinhos. na hora que eu decidi, me joguei pro mundo. quando pequena, cai da tonquinha na escadaria da praça lá perto de casa. me joguei porque queria andar com meus irmãos mais velhos mesmo sabendo que não era para mim. quando fiz 18 anos, ganhei um carro. num cruzamento, farol amarelo, me joguei achando que ia dar tempo de passar. não deu. bati o carro. na única vez que pratiquei rafting, o instrutor perguntou quem queria mergulhar na queda que vinha ali pela frente. eu fui. o capacete caiu, a água me levou e quando submergi, adrenalina mil, agradeci por ter me jogado nessa.

tive uma tristeza profunda no ano passado. inimaginável. queda dolorida…acho que quebrou alguma coisa dentro de mim… mas continuo não tendo medo de me jogar. demorou um pouquinho, mas agora já estou pronta. se cair, tenho a força necessária para levantar e pular de novo.

se você não faz, a vida te coloca no lugar. naquele lugar, em que vc precisa decidir se se joga ou não. eu vou continuar me jogando. e de novo. e de novo.