Archive for March, 2011

week(end)

25/03/2011

good company upon the road is the shortest cut

24/03/2011

cartola é aquela coisa que acontece de vez em quando.

be my fairy tale

24/03/2011

Quando eu crescer eu vou ficar criança.
– Manoel Bandeira

what your soul sings

16/03/2011

pare e ouça, ela ainda canta. e não é o vento não. é o amor soprando baixinho. é que agora ela anda solta. conseguiu tirar a areia dos pés, se desfez das incertezas que grudaram no cabelo, lavou o sal do corpo e agora vive assim, fazendo doces dela mesma. ainda tropeça, mas é só pra sentir o chão mais de perto e pra ter a certeza de que dali, não passa. por que é sempre bom guardar um pouco de si atrás do sim e dos sonhos à dois. mas ela não perdeu o ritmo. vive no acordar das vontades, no abraçar dos detalhes, no calar das horas. amanhece todo dia com o coração reinventado. vive enquanto compõe milagres. hoje, alguns sussurros dormem lá fora. mas os mais bonitos, cantam dentro.

week(end)

11/03/2011

just can’t get enough

04/03/2011

na contramão do carnaval, o meu pierrot.

03/03/2011

porque até o jazz gostaria de ser mais rock n’ roll.

if this world were mine

03/03/2011

no meu mundo ideal ninguém gritaria. palavrões seriam permitidos, claro, mas por esporte. no meu mundo ideal, o que as pessoas pensam valeria mais do que elas vestem. no meu mundo ideal você faria o melhor que você pode hoje, pois só existiria o hoje. o som nunca pararia de tocar. os Beatles estariam vivos, e tocariam de bom grado no meu casamento. as pessoas precisariam tirar 10 em bons modos e 0 em escrotidão para se formar. no meu mundo ideal, você escolheria as cores dos olhos e tipos de cabelo, com opção de mudar de idéia duas vezes, porque ô coisinha tão difícil de escolher. carros, só em extrema necessidade. no meu mundo ideal, cada familia teria no mínimo um cachorro e se quisesse, uma gatinho tb. não existiria despertador, pois todos acordariam com a luz do sol. as respostas para qualquer pergunta teriam um intervalo de pelo menos um minuto, que é para dar tempo de pensar direito. no meu mundo ideal, os abraços seriam freqüentes e sempre apertados. no meu mundo ideal, um sorriso engatilharia outro, e outro e outro. por favor viria seguido de obrigada, presente viria acompanhado de bilhete, boa noite de beijo e eu te amo, de eu amo mais.

I want you and your beautiful soul

01/03/2011

sempre que leio Saramago, mesmo que seja apenas um trecho pequeno, me lembro da grandeza dele. é algo que não é própria de homens pequenos, com pouca alma. seu estilo difícil, linguagem única e emoção quase fervente são produtos de uma alma sensível e pensativa. sempre que leio Saramago, acabo pensando na minha própria vida, e nos caminhos que escolhi para ela até hoje. aprendi a ser apenas eu. apenas eu?? corrijo: MUITO eu. porque fácil é ser algo que você ouviu falar ou seguir aquilo que os outros pensam para você.  eu escolhi o caminho mais largo, mais belo, mas também o mais duro. fui atrás daqueles momentos em que pensamos que o melhor do mundo são as pessoas e que elas são capazes de coisas tão extraordinárias que nos fazem achar um sentido para esta existência tão estranha. eu não saberia percorrer qualquer outro. sou movida pela consistência dos sonhos, a navegar pelo mundo, de porto em porto, nem que seja porque o descanso é coisa reservada à eternidade.

 

mas voltando ao Saramago, o filme sobre a vida dele é daquelas histórias que despertam uma comoção tal, que fiquei perplexa, sem conseguir sequer chorar, sentindo a pele arrepiar. e não vou esquecer a maior declaração de amor, de Saramago para Pilar: “se eu tivesse morrido antes de te conhecer, Pilar, teria morrido sentido-me muito mais velho. se eu tivesse morrido antes de ter vivido este momento, teria morrido muito mais ignorante e muito menos feliz.”

Ah, Saramago…