Archive for August, 2011

my high flying bird

30/08/2011
Advertisements

peace inside

29/08/2011

in the end only kindness matters

29/08/2011

se eu demorar, me espera. se eu te olhar, me olha. se eu balançar, segura. se eu te entregar, aceita. se eu sussurrar, escuta. se eu te enrolar, me empurra. se eu te zuar, me fala. se eu duvidar, me jura. se eu gaguejar, me entende. se eu te perder, me ganha.  se eu me mostrar, me veja.  se eu te pedi, me dá.  se for brigar, pra que? se eu te tocar, se assanha. se eu chorar, me anima.
se eu te amar, me sente. se eu te sentir, me ama.

week(end)

19/08/2011

a simple little kind of free

19/08/2011

you can’t plan on the heart, but the better part of it, my poetry, is open.

the hole time with you, baby

18/08/2011

 

sempre sei, realmente. só o que eu quis, todo o tempo, o que eu pelejei para achar, era uma só coisa – a inteira – cujo significado e vislumbrado dela eu vejo que sempre tive. a que era: que existe uma receita, a norma dum caminho certo, estreito, de cada uma pessoa viver – e essa pauta cada um tem – mas a gente mesmo, no comum, não sabe encontrar; como é que, sozinho, por si, alguém ia poder encontrar e saber? mas, esse norteado, tem. tem que ter. Se não, a vida de todos ficava sendo sempre o confuso dessa doideira que é.

e que: para cada dia, e cada hora, só uma ação possível da gente é que consegue ser a certa.

– Guimarães Rosa

16/08/2011

texto dele: bukoswki

12/08/2011

Yes we’re going to a party

10/08/2011

perdi os nãos, as (im)possibilidades, e as mentiras. restou eu comigo mesma… e a vontade de talvez dizer sim pra tudo na vida. hoje vejo em mim uma tranqüilidade ridícula. é coisa de um coração que tem se achado importante, coisa de um coração feliz. depois da chuva, sobrou meu sorriso imperativo. e este não sabe ser arrogante pois não há  nada mais a reclamar. cheiro de azul e gosto de tarde. já provou? é liberdade. felicidade. amor.

letting the joy unfold

03/08/2011

…eu não sei se a arte nos deve salvar, mas tenho certeza de que pode conduzir ao melhor que há em nós, para que não nos desperdicemos na vida…

 

(dica da reox)