Posts Tagged ‘Saramago’

going to a go go

16/05/2013

todas as ilhas, mesmo as conhecidas, são desconhecidas enquanto não desembarcamos nelas.
– Saramago

RUSSELL JAMES 3

Advertisements

break seeds and grow

09/02/2012

a viagem não acaba nunca.  só os viajantes acabam.  e mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. quando o visitante sentou na areia da praia e disse:
“não há mais o que ver”, saiba que não era assim. o fim de uma viagem é apenas o começo de outra. é preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. é preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. é preciso recomeçar a viagem. sempre.
– Saramago.

I want you and your beautiful soul

01/03/2011

sempre que leio Saramago, mesmo que seja apenas um trecho pequeno, me lembro da grandeza dele. é algo que não é própria de homens pequenos, com pouca alma. seu estilo difícil, linguagem única e emoção quase fervente são produtos de uma alma sensível e pensativa. sempre que leio Saramago, acabo pensando na minha própria vida, e nos caminhos que escolhi para ela até hoje. aprendi a ser apenas eu. apenas eu?? corrijo: MUITO eu. porque fácil é ser algo que você ouviu falar ou seguir aquilo que os outros pensam para você.  eu escolhi o caminho mais largo, mais belo, mas também o mais duro. fui atrás daqueles momentos em que pensamos que o melhor do mundo são as pessoas e que elas são capazes de coisas tão extraordinárias que nos fazem achar um sentido para esta existência tão estranha. eu não saberia percorrer qualquer outro. sou movida pela consistência dos sonhos, a navegar pelo mundo, de porto em porto, nem que seja porque o descanso é coisa reservada à eternidade.

 

mas voltando ao Saramago, o filme sobre a vida dele é daquelas histórias que despertam uma comoção tal, que fiquei perplexa, sem conseguir sequer chorar, sentindo a pele arrepiar. e não vou esquecer a maior declaração de amor, de Saramago para Pilar: “se eu tivesse morrido antes de te conhecer, Pilar, teria morrido sentido-me muito mais velho. se eu tivesse morrido antes de ter vivido este momento, teria morrido muito mais ignorante e muito menos feliz.”

Ah, Saramago…

14/02/2011