Archive for March, 2010

the space between

23/03/2010

Advertisements

soul eyes

22/03/2010

o olhar.
o olhar diz tudo o que o coração é incapaz de verbalizar. ele conta o segredo que a mente guarda nos olhos, a alegria que não cabe num sorriso, a tristeza que transborda do coração em forma de lágrimas. susurra a paz que abranda o corpo e grita a paixão que o coloca na brasa.

o olhar é o protagonista que denuncia o sentimento mais íntimo, como se quisesse falar algo silenciado pelas palavras.

o meu olhar tem brilho. e o seu?

yours and mine

22/03/2010

“as pessoas podem mudar tudo: de cara, de casa, de família, de namorada, de religião, de Deus,

mas há uma coisa que não se pode mudar, Benjamín. não se pode trocar de paixão.”

do filme “o segredo do seus olhos”.

let’s go

21/03/2010

week(end)

19/03/2010

mini tracks

19/03/2010

move you

19/03/2010

busco uma alma serena,
mas a vida desordena

até quando esperar?
e se eu  falar?

entenda que a vida
é feita de renda

alguns pensamentos nos trazem alento;
outros, ferimento

mas a imaginação
faz a vida girar
e voar
e nos faz esquecer de chorar.

nada tão bom como deixar
o olhar ser o pilar
do querer e do gostar.

Me faz acreditar
Que somos terra e mar
Eu mar. Ele terra.

Mudamos nossas direções
E então, encontramos o que era o amor.

the doors

17/03/2010

orange juice

17/03/2010

se o homem escrever laranja na alma, a alma ficará mais saborosa? e se escrever no coração, a paixão ficará maior? onde estará a vida da laranja, a vida do homem, a vida do poema? a vida estará aqui, no interior do meu corpo? ou muito longe de mim onde eu mesma sei que possuo outra razão?

segue-se comprimindo a laranja mecânica do mundo. a vida se dá na tentativa constante de se tranformar em poema e poder enfim circular novamente.


lay it down

17/03/2010

e de repente, eu me pego pensando sobre as coisas que falamos para nós mesmos naqueles minutos antes de adormecer. nós sussurramos palavras no escuro, dizendo para nós mesmos que somos felizes ou que alguém próximo a nós é. que as pessoas vão mudar, que aqueles que foram, e nos eram queridos, vão voltar, que tudo vai passar.

nos persuadimos, de uma forma quase indecente, que podemos seguir em frente sem confrontar o que, quando estamos acordados, precisamos enfrentar.

toda noite, antes de adormecer, mentimos para nós mesmos com a esperança desesperada de que, com a chegada da manhã e a invasão da luz, tudo se torne verdade.